10 passos para explicar o que é bitcoin na Ceia de Natal

18/12/2015 | por Admin | em Curiosidades

papaimagro

Se você é um aficionado por Bitcoin e Blockchain, pode apostar que durante a ceia de natal você irá mencionar o assunto para os seus familiares e amigos e eles farão uma cara de “o que é isso?” Não perca a chance de explicar como funciona a tecnologia.

E como provavelmente a sua avó estará sentada à mesa, é melhor preparar um discurso bem simples para que todos entendam, inclusive ela.

Por isso, fizemos esse post com 10 passos para que você se faça entendido e angarie novos usuários da nossa moeda favorita. A ideia é explicar de forma geral o que é e como funciona o bitcoin. Não entraremos em detalhes técnicos de como ele é gerada e como funciona o trabalho dos mineradores.

1º passo – Dinheiro físico

Praticamente qualquer ser humano entende o que é uma nota de dinheiro. Nós podemos colocá-lo no banco, na carteira ou, como antigamente, embaixo do colchão. Essas notas servem para trocarmos coisas com as pessoas, sejam produtos ou serviços. E nós acreditamos que uma nota de real pode ser trocada por um pãozinho devido ao poderoso sistema cultural e governamental que nos fez acreditar nisso desde que ganhamos as nossas primeiras moedas para comprar balas na escola.

2º passo – Dinheiro eletrônico

Nos dias de hoje, a maioria das transações acontecem de forma eletrônica. Quando usamos um cartão de crédito, ou sacamos dinheiro no caixa eletrônico estamos realizando uma transação eletrônica. E onde esse dinheiro fica armazenado? No sistema do banco.

3º passo – Dinheiro eletrônico é apenas número

Para guardar o seu dinheiro eletrônico, o banco mantém um livro contábil que diz que você possui tanta quantidade de reais e a partir de então ele começa a registrar os seus saques, transferências e pagamentos. Algo bastante parecido quando o dono da mercearia da esquina mantinha uma conta em seu nome com a lista de produtos que você havia comprado e teria que pagar no final daquele mês.

4º passo – É impossível armazenar dinheiro eletrônico no seu computador

Digamos que você gostaria que aqueles números no livro contábil do banco que registram a quantidade de dinheiro que você tem fossem guardados por você mesmo no seu computador. O banco diria que isso é impossível e que a única forma de você tirar aquele dinheiro eletrônico seria transformando-o em dinheiro físico ou transferindo-o a outro banco.

5º passo – O banco é um intermediário

Se fosse possível armazenar dinheiro eletrônico em nossos computadores, não precisaríamos mais dos bancos. As instituições financeiras atuam como intermediários da transação. No sistema vigente, eles são a chancela de confiança de que o valor X passou das mãos de A para B.

6º passo – Gasto duplo

Explique agora que esse livro contábil que os bancos utilizam em seus sistemas para registrar as transações eletrônicas têm como grande objetivo evitar que você gaste duas vezes o mesmo dinheiro eletrônico. Se você tem R$ 10 em sua conta e faz uma compra pela Internet neste valor e cinco segundos mais tarde tenta realizar outra compra, o banco irá lhe dizer que você não possui mais saldo e que a transação não poderá ser completada.

7º passo – Falsificação de dinheiro eletrônico

Imagine agora que fosse possível pedir ao banco que enviasse o seu dinheiro eletrônico para ser armazenado diretamente em seu computador. Esse dinheiro viria em formato de um arquivo digital. O que impediria você ou outra pessoa de copiar e replicar este arquivo quantas vezes fossem necessárias? Outro motivo pelo qual os bancos precisam atuar como intermediários, para que aquela informação no sistema deles seja acreditada por todos.

8º passo – Satoshi Nakamoto

Um gênio desconhecido e misterioso, chamado Satoshi Nakamoto, conseguiu criar, em 2008, uma moeda eletrônica, que pode ser armazenada por você mesmo e enviada via Internet, como se fosse um e-mail, para qualquer outra pessoa e que não depende de um intermediário para validar aquela transação. O nome dessa moeda é bitcoin. Ela tem na Internet um livro contábil aberto, que todos podem checar e adicionar transações, e que não é controlado por ninguém. (Jamais mencione a palavra Blockchain para a sua avó, pois ela se perderá na história).

9º passo – Rede descentralizada

Agora conte sobre a rede de centenas de milhares de computadores que estão trabalhando para manter vivo e operacional o livro contábil aberto e descentralizado. O intermediário necessário para as transações eletrônicas passa a ser essa poderosa rede descentralizada de máquinas.

10º passo – Faça uma experiência real de envio de bitcoins

Peça ao seu primo para baixar uma carteira virtual e mostre, antes de o pernil ficar pronto, que você tem o poder de armazenar seu próprio dinheiro e enviá-lo instantaneamente.

A coinBR deseja a todos os seus clientes, parceiros e amigos um Feliz Natal e um 2016 com muitos bitcoins.  

18/12/2015 Compartilhar