É hora de investir em Bitcoin, mas também em outras criptomoedas

28/11/2017 | por Admin | em Destaque

Com o Bitcoin na casa dos R$ 30 mil, Rocelo Lopes, CEO da coinBR, ressalta que vale a pena olhar para as outras opções de criptomoedas.

criptomoedas

Algumas dessas criptomoedas já superam o Bitcoin na valorização. Por isso, essa é a hora de investir. O Bitcoin já é uma realidade e uma opção de investimento para muitas pessoas, inclusive aqueles que são leigos no assunto. Mas não é a única: o Bitcoin é só uma das pelo menos mil moedas digitais no mundo, as chamadas altcoins.

Os números de investimento ainda são baixos por conta da falta de conhecimento ou medo das pessoas, mas isto está prestes a mudar. Segundo Rocelo Lopes, as mais conhecidas e que podem ser adquiridas no Brasil são Ethereum, ZCash, Dash e Ripple. Esta última considerada o “PayPal 2.0” e foi criada pela empresa privada OpenCoin. “Também tem o Neo (da China) que é novo e só é vendido no exterior, mas está chegando com muita força e tem potencial”. Lopes afirma que cada uma dessas criptomoedas tem as suas particularidades e acabam se completando.

Assista: CEO da coinBR fala de moedas concorrentes do Bitcoin em série do InfoMoney

Para se ter uma ideia, essas criptomoedas citadas estão batendo recorde de valorização. O Ethereum, por exemplo, teve 3000% de alta contra 1000% do bitcoin desde o início do ano. Já a Neo teve uma valorização de 360.000%. “Quem comprou essas moedas no ínicio do ano está rindo à toa”, brinca Lopes.

De acordo com o CEO, o mundo já começou a olhar para as altcoins. “A melhor oportunidade para quem está entrando neste tipo de investimento pode estar justamente nas altcoins, mesmo que o Bitcoin seja a maior criptomoeda do mundo”. Para Lopes, o Dash e ZCash são excepcionais para o comércio eletrônico por serem extremamente rápidos e com alta performance. “O ZCash, inclusive, pode ser o Bitcoin do amanhã”, diz. Já o Ripple, por exemplo, começa a ser assediado pelos bancos, como Santander, a fim de oferecer transações instantâneas por todo o mundo, com as menores tarifas possíveis.

É claro que, como tudo no mundo, existem aquelas critpomoedas que são fogo de palha ou fraude. Por isso, o CEO da coinBR alerta: “É preciso pesquisar, ler sobre o assunto, conversar com quem investe e, até mesmo, com a corretoras. Veja quem está por trás da moeda, qual a equipe e com que objetivo ela foi criada”, afirma Lopes.

Para finalizar, uma dica extra do CEO da coinBR: “Invista um pouco em cada uma dessas moedas, por exemplo, 60% em Bitcoins e 40% divididos nas demais, quatro pelo menos”, sugere. “Mesmo alguma delas valendo centavos, lembre-se que o Bitcoin valia US$ 0,28 há 7 anos e hoje já passou dos R$ 30 mil”, destaca.

Quer saber mais sobre Bitcoin e as outras criptomoedas? Entre em contato.

Baixe: Como investir em Bitcoins

Baixe: Guia básico sobre ETHEREUM

28/11/2017 Compartilhar