Ethereum testa mudanças na rede e vislumbra escala global

22/09/2017 | por Redação CoinBR | em Economia

A blockchain do Ethereum é atualmente a segunda maior e mais importante de todo universo cripto, atrás apenas do Bitcoin. Em março de 2017, um ether (a moeda da rede Ethereum) valia cerca de US$ 12. A cotação desta criptomoeda chegou a atingir a casa dos US$ 390 durante duas oportunidades neste ano: uma em meados de junho e outra no início de setembro. Esta expressiva valorização chegou a gerar dúvidas em todo mercado se o Ethereum iria ultrapassar o Bitcoin, fato que não ocorreu, mas que pode acontecer, a depender das condições do mercado e das tecnologias.

O crescimento da importância do Ethereum e também do seu valor de mercado fez a coinBR trabalhar para integrá-la à SmartWallet. Desde o início de setembro, nossos clientes podem comprar, vender e armazenar com segurança esta moeda digital, que ao lado do Bitcoin, Zcash, Monero e Dash, constitui parte do cardápio de soluções oferecidas pela coinBR.

Novidades do Ethereum

Muitas novidades estão no caminho do Ethereum. Algumas delas têm potencial para alavancar ainda mais o preço deste ativo digital. Desde o dia 18 de setembro, a equipe de desenvolvedores da tecnologia está testando na rede uma atualização denominada Metropolis. Isso possivelmente irá culminar em uma alteração importante na maneira como a rede atinge consenso sobre a confirmação dos blocos de transação e de futuras atualizações do código.

Atualmente, a rede do Ethereum funciona com base no método de prova de trabalho (proof-of-work), que exige computadores sofisticados dedicados à confirmação e validação das transações. Este método é o mesmo utilizado pelo Bitcoin, mas exige uma quantidade grande de energia elétrica para ser operacionalizado.

A Metropolis propõe que este método seja substituído pela prova de participação (proof-of-stake), ou seja, a confirmação das transações seria feita pelos próprios detentores de ether, ao invés de mineradores dedicados a esta atividade. Espera-se que esse método reduza significativamente o consumo de energia e a necessidade por computadores especializados. A data para efetivar essa alteração ainda depende do resultado dos testes e da resolução de eventuais problemas que possam surgir durante este período.

Visão de longo prazo do criador do Ethereum

Também vale destacar aos investidores de Ethereum ou aqueles que cogitam comprar a moeda, a visão de longo prazo explicitada pelo criador da plataforma, Vitalik Buterin, durante evento realizado em setembro, em São Francisco, nos Estados Unidos. O fundador do Ethereum disse acreditar que “em alguns anos a blockchain irá ser capaz de processar um número equivalente de transações ao que a empresa de cartão de crédito Visa faz atualmente. Assista entrevista com Buterin no TechCrunch (em inglês).

Atualmente, a rede do Ethereum processa cerca de cinco transações por segundo, um pouco a mais que a rede do Bitcoin, que processa cerca de três por segundo. A meta de Vitalik Buterin é atingir o processamento de milhares de transações por segundo, como a Visa, dentro de alguns anos. Isto, sem dúvida, representaria uma penetração global da tecnologia do Ethereum.

Quer saber mais sobre Ethereum? Baixe o Guia Básico produzido pela coinBR e fale conosco.

22/09/2017 Compartilhar
  • Teofilo Barbosa

    Sucessos a Todos nós da *coinbr*, …

  • Estou meio indeciso sobre a mudança de POW por POS na rede pelo fato de ser mineiro de ETH, acho bom o fato da empresa estar evoluindo mais gostaria que os mineiros continuassem a fazer parte dessa evolução.
    E parabéns a CoinBR pela expansão do porto folio de moedas, espero que continue assim sempre para o alto e evante (gostaria de ver Neo aqui com suporte a geração de gas da rede tenho ums moedinhas lá fora e gostaria de trazer para CoinBR)