Fork do Bitcoin Cash: O que aconteceu?

24/12/2018 | por Stratum | em Economia

Stratum

Recentemente o mundo das criptomoedas ficou abalado com a notícia de que o Bitcoin Cash iria passar por um hard fork e muitas dúvidas surgiram sobre isso.

No artigo anterior explicamos o que são forks e quais as diferenças entre elas, neste iremos nos aprofundar no assunto usando como exemplo a fork mais polêmica dos últimos tempos.

Vamos lá!

Bitcoin Cash: Como surgiu?

Para entender a hard fork do Bitcoin Cash, é necessário que você entenda primeiro como essa moeda surgiu e o porquê.

O Bitcoin é a criptomoeda mais valiosa e conhecida do mundo. Com o aumento de sua popularidade em 2017, houve um boom nas transações feitas com essa cripto, o que aumentou a demanda na rede e consequentemente a deixou mais lenta, tornando as transações demoradas.

Em agosto de 2017 surgiu a “solução” para essa situação, uma nova moeda que se deriva do Bitcoin original: o Bitcoin Cash. A ideia era que o Bitcoin Cash tivesse maior escalabilidade que o Bitcoin original, tendo um aumento no tamanho dos blocos do ativo.

A comunidade que participou da criação do Bitcoin Cash queria que a criptomoeda deixasse de ser um ativo de investimento e crescesse como uma moeda transacional, seguindo a visão de seu criador, o misterioso Satoshi Nakamoto.

Houve resistência por parte da comunidade, mas no final a hard fork aconteceu e logo o Bitcoin Cash se tornou uma das principais criptomoedas do mundo.

Hard Fork do BCH e Seus Porquês

Por serem descentralizadas, as decisões tomadas acerca das criptomoedas são decididas através do consenso de sua comunidade, o que envolve mineradores e desenvolvedores.

São eles os responsáveis pelas votações para atualizar protocolos de segurança e afins da cripto em questão. Em teoria, se a comunidade não entra em consenso, não deve haver alterações na moeda.

O Bitcoin Cash prosperou como moeda, contudo, logo surgiram divergências entre dois grandes nomes de sua comunidade o que levou a mais um hard fork.

Os dois grupos concordam com a ideia do Bitcoin Cash como o bitcoin “verdadeiro”, mas não concordam sobre a forma como isso deveria acontecer.

Surgiu o grupo liderado por Roger Ver e a Bitmain, uma das principais mineradoras do mundo. Para eles, o Bitcoin Cash deveria ser mais flexível e se afastar do Bitcoin original.

Na visão desse grupo, falta flexibilidade na moeda que poderia permitir a inclusão de smart contracts, como o Ethereum faz, ou a adoção de atomic swap (transações atômicas, que são as trocas de criptos através de suas blockchain, sem a interferência de terceiros como as exchanges), por exemplo.

Esse grupo criou a moeda que ficou conhecida como Bitcoin ABC (Adjustable Blocksize Cap), mantendo a estrutura do Bitcoin e diminuindo os custos de transação, mas possibilitando que o Bitcoin ABC possa sofrer alterações.

Para o segundo grupo, criador da moeda Bitcoin SV (Satoshi’s Vision), a ideia de Roger Ver se afastava muito do que o Bitcoin deveria ser.

Esse segundo grupo apoia a ideia de aumentar o tamanho do bloco para até 128 MB, mas o resto deve manter-se como é. O grupo é liderado por Craig Wright, que já afirmou várias vezes ser o misterioso Satoshi Nakamoto apresentando provas que geraram dúvidas sobre sua identidade como o criador do Bitcoin, e a CoinGeek, a maior mineradora de Bitcoin Cash do mundo.

Porém, a ideia de aumentar os blocos divide opiniões. Muitos acham que essa mudança beneficiaria apenas as grandes fazendas de mineração, que estão com melhores equipamento e mais investimento, e contribuiria para deixar a mineração centralizada nas grandes mineradoras.

Algumas das principais exchanges do mundo – Poloniex, Binance e Coinbase – anunciaram que iriam oferecer suporte para as duas moedas.

Em resumo, temos um lado defendendo a ideia de que a criptomoeda deva ser mais moderna e ter mais atualizações enquanto o outro quer mantê-la fiel às suas origens.

O “depois” da Hard Fork

Após a notícia sobre a divisão da moeda, Craig Wright ameaçou derrubar o preço do Bitcoin para mil dólares caso os mineradores apoiassem o Bitcoin ABC de Roger Ver, o que mostra até onde Wright está disposto a ir para acabar com o Bitcoin ABC. A mensagem foi publicada em seu twitter no dia 14 de novembro, o dia anterior ao hard fork.

No mercado o reflexo da hard fork apareceu com a maior queda da história do Bitcoin Cash, chegando perto dos cento e quarenta dólares, o valor mais baixo de todos os tempos, na primeira semana de dezembro de 2018.

Nesse momento, o mercado acompanha o desempenho das criptomoedas tentando adivinhar qual delas será eleita o “verdadeiro” Bitcoin Cash.

A Stratum não está oferecendo suporte ao fork, vemos essa situação como uma disputa política dentro da comunidade que resultou na criação de moedas que não vão ter valor no mercado.

No dia 7 de dezembro os desenvolvedores do Ethereum decidiram realizar o lançamento do hard fork Constantinopla entre os dias 14 e 18 de janeiro, com esse fork serão implementadas mudanças no sistema que visam aumentar a eficiência da rede e vão reduzir as recompensas que os mineradores recebem pelos blocos. Diferente do fork do Bitcoin Cash, esse não parece trazer mudanças tão drásticas.

Qual sua opinião sobre esse hard fork? Já tem sua aposta sobre qual será a nova moeda? E o que acha do futuro fork do Ethereum? Compartilhe nos comentários, queremos saber a sua opinião!

Já imaginou como seria usar suas criptomoedas para pagar contas? Com a SmartWallet você pode fazer isso e muito mais, venha conhecer esse serviço exclusivo da Stratum e facilite a sua vida. 😉

24/12/2018 Compartilhar