Saiba mais sobre o SegWit

25/04/2016 | por Admin | em Economia

 

10 bancos que se renderam a blockchain

O acalorado debate em torno das propostas de escalabilidade da rede bitcoin obteve um importante avanço na última semana. O desenvolvedor do Bitcoin Core Pieter Wuille publicou o aguardado código da versão Segregated Witness (Testemunha segregada, em tradução livre), também conhecida como SegWit, cuja atualização de software estará disponível em breve para a rede de mineradores.

Esta atualização redesenha o processo de verificação das transações no blockchain, tornando-o mais eficiente. A mudança no protocolo, que também foi chamada de “Assinaturas Separadas”, remove a assinatura digital contida em cada transação de bitcoin e a coloca ao lado da blockchain. A versão SegWit ganhou fama durante a conferência Escalando o Bitcoin, realizada em Hong Kong, em dezembro do ano passado.

Ao diminuir o tamanho da transação, mais transações caberão em cada bloco, aumentando o número de transações processadas por segundo na rede Bitcoin. As estimativas de quanto espaço será economizado em cada bloco após a entrada do SegWit variam de 75% a 400%. Com isso, espera-se que o problema de escalabilidade da tecnologia seja aliviado.

Os arquivos de assinatura que forem separados das transações poderão, no final do processo, ser descartados, liberando espaço de armazenamento no disco rígido. A importância das assinaturas se dá exclusivamente na verificação do bloco. Quanto mais antigo é o bloco, menor a chance de ele precisar ser verificado novamente.

A implementação do SegWit não será feita de forma instantânea, mas existe um forte consenso por trás da proposta. Ao menos três projetos vêm testando o código preliminar do SegWit, além de um grande número de carteiras de bitcoin, exploradores do blockchain e outros provedores de serviços de bitcoin que já se declararam a favor da atualização do software assim que ele estiver disponível.

A única grande pedra no caminho do SegWit é o fato de que para ser adotada, essa versão precisará de uma super maioria do poder de mineração, chegando a 95% da rede. Somente quando esse percentual fizer a atualização é que poderemos ver os ganhos de eficiência se propagarem através de toda rede.

Aparentemente, não existe uma razão para a maioria dos mineradores se opor ao SegWit, já que ele não apresenta qualquer risco ao Bitcoin e à possibilidade de alguém perder dinheiro com a sua implementação.

Como bônus, o SegWit automaticamente resolve o problema de maleabilidade das transações, uma pequena fraqueza existente hoje no código do Bitcoin Core, que permite a um hacker determinado modificar a transação de alguém com o objetivo de assegurar que ela não seja aceita no bloco.

Como o SegWit remove o alvo do ataque, a questão da maleabilidade das transações será completamente consertada assim que o software for atualizado.

As soluções entregues pelo upgrade do software são um dos principais fatores que explicam o atual rally recente do preço, trazendo mais segurança aos mercados em um momento onde a expectativa pelo ajuste da recompensa previsto pra segunda semana de julho se intensifica.

O bitcoin abre a semana sendo negociado acima de USD 460,00 nos principais mercados internacionais e no Brasil buscando romper o nível dos R$ 1800,00, em meio a instabilidade cambial promovida pela expectativa em torno do impeachment e a nova equipe econômica.

25/04/2016 Compartilhar