Temos um consenso? Mercado reage com otimismo aos avanços sobre a escabilidade e cotação do bitcoin dispara

22/02/2016 | por Admin | em Economia
O Bitcoin vive um plebiscito?

O Bitcoin vive um plebiscito?

O último domingo, 21 de fevereiro de 2016, foi um dia bastante agitado para o mercado de bitcoin. Durante uma longa reunião de mais de 18 horas, esta pode ter sido a data na qual, depois de meses de debate, os principais agentes do mercado chegaram a um acordo importante sobre o crescimento do poder de processamento de transações da rede, resolvendo um dos principais fatores de risco da moeda digital e criando uma solução para proceder com sua escalabilidade.

Reunidos em Hong Kong, a esmagadora maioria dos mineradores de bitcoin do mundo assinaram um compromisso mútuo para implementação de uma solução apelidada de SegWit (Segregated Witness, em inglês – Testemunha segregada, em tradução livre).

O SegWit é um mecanismo que atua como um observador das assinaturas das transações dentro da Blockchain. As assinaturas funcionam como “testemunhas” das transações realizadas com bitcoin.

De acordo com a carta assinada por mineradores, como F2Pool, Antpool, Genesis Mining, e as principais exchanges de bitcoin do mundo, além de diversos contribuidores do Bitcoin Core, em abril deste ano, a versão SegWit do código do bitcoin será implementada e isso aumentará o número máximo de transações que poderão ser processadas pela Blockchain.

Na prática, os desenvolvedores, estão implementando uma versão transitória, chamada de soft-fork, para que o Bitcoin, em julho de 2017, parta para um hard-fork efetivamente.

Espera-se que o hard-fork, atualmente em discussão, aumente para 2MB a capacidade dos dados non-witness, sendo o aumento total de não mais que 4MB. No código atual, a capacidade é de 1MB.

A notícia ajuda a acalmar os ânimos da comunidade bitcoin, que viu uma enxurrada de notícias negativas desde o início do ano, depois que um dos principais desenvolvedores do Bitcoin Mike Hearn declarou que o experimento da moeda digital havia fracassado devido à falta de consenso em relação ao aumento dos blocos de transação.

O preço da moeda digital despencou pelo menos 15% após a carta publicada por Hearn. Aos poucos, o preço foi se recuperando e no último final de semana ultrapassou a barreira dos US$ 440, puxado principalmente pela expectativa positiva provocada pelo acordo em torno do SegWit e pelo aumento do interesse de instituições importantes, como a União Européia e o Banco Central Chinês, em torno do blockchain.

Os primeiros indicativos sobre o acordo sinalizam que os grandes players do mercado preferem que o bitcoin assuma uma característica de ouro digital, sem necessariamente privilegiar a pretensão de curto prazo de ser um substituto de grandes redes de pagamento, como a Visa e a Mastercard.

Nesse momento o mercado acena com a priorização da segurança e descentralização da rede, preservando as características essenciais que tornaram o blockchain um fenômeno sem precedentes.

Ao longo dos próximo meses, se tudo caminhar conforme está definido no cronograma de implementação da versão SegWit, poderemos ver um aumento na demanda por bitcoins devido à resolução desses potenciais riscos relativos a sua escalabilidade.

Apesar desse importante avanço, imediatamente surgiram manifestações contrárias em relação ao SegWit, especialmente dos simpatizantes do Bitcoin Classic, representado por grandes empresas do Vale do Silício como Coinbase e BitPay.

O argumento por trás dessa resistência é de que o SegWit adiciona ainda mais complexidade ao protocolo e resolve a escalabilidade de forma bastante tímida, por não democratizar suficientemente o acesso a rede Bitcoin.

Independente disso, o mais importante avanço é termos duas propostas funcionais rodando e a disposição da comunidade para a optar qual caminho é o mais adequado a seguir. Tanto o Bitcoin Classic quanto o SegWit trazem soluções extremamente elegantes para os desafios do protocolo e são provas de como o aperfeiçoamento constante do software é um elemento chave pra que o Bitcoin siga prosperando.

22/02/2016 Compartilhar